Dormienti

Dormienti fala de situações e de lugares com os quais nos deparamos e imediatamente somos transportados para um tempo em suspensão, quase congelado, onde supomos movimentos invisíveis ao olhar. Um estado de hibernação de dormência onde sutilezas e matizes do corpo nos levam a refletir sobre a condição humana e sua capacidade de adequação a diferentes condições externas e internas.

No palco os intérpretes criam atmosferas carregadas de situações mágicas e ancestrais, mistérios e ambiguidades através de composições e estados corporais que transitam entre imobilidade, vigilia, silêncio e tensão.
O espetáculo é composto por “poemas visuais” que convidam o público a ativar o seu olhar interior e ouvir o silêncio que está dentro de nós. O espectador em um estado extracotidiano constrói um elo entre palco e platéia que permite criação de pausas e respiros comuns.

Dormienti tem como inspiração a série de esculturas do artista plástico italiano Mimmo Palladino e o conceito japonês MA (intervalo espaço-tempo). Tendo esses dois eixos de pesquisa os artistas/pesquisadores Mirtes Calheiros e Ederson Lopes fizeram, em 2013, três residências artísticas em diferentes locais: a primeira foi na Toscana (Italia), mais especificamente na cidade de Poggibonsi, onde os “dormientis” de Paladino estão instalados. A segunda foi na cidade de Ipuaçu no estado de Santa Catarina e a terceira etapa na Patagônia Argentina – Península Valdés. Buscamos registrar no corpo e em imagens o silêncio e a suspensão de tempo-espaço que cada local nos inspirava e ao retornar para São Paulo organizamos esse material para pesquisa e criação do trabalho.


fotos: Fábio Pazzini